As Crônicas Marcianas

85“Perdemos nossa fé e ficamos nos perguntando de que servia a vida. Se a arte não passava de uma expressão frustada de desejo, se a religião não passava de ilusão, para que servia a vida?” – E A Lua Continua Brilhando, Ray Bradbury em Crônicas Marcianas.

Olá pessoas! Como vocês devem ter percebido estou me esforçando muito para escrever posts mais curtos e espero que estejam apreciando as leituras deles. Hoje quero falar de um livro que comecei a ler meio que sem querer… é um daqueles que pulam na nossa frente sabe… (eu não sou louco tá…).

Eu gosto de me aventurar no desconhecido e quando iniciei a leitura de As crônicas marcianas (Ray Bradbury, Editora Globo) eu não sabia o que esperar, apesar de conhecer o autor e saber que poderia esperar coisa boa, não sabia exatamente o que viria pela frente. Foi mais uma das gratas surpresas que ando tendo ultimamente.

As Crônicas Marcianas é uma coletânea de contos rápidos que trata da exploração humana à Marte. Os contos são datados desde o primeiro contato humano com o novo planeta e sua civilização e é curioso como Bradbury nos coloca no solo marciano. Primeiramente somos inseridos como parte da civilização marciana, e depois, aos poucos, como parte da civilização humana, pouco a pouco até acabarmos nos perguntando… onde estão, afinal os marcianos? E por fim, temos um desfecho excelente, triste, mas excelente.

Curioso, senão, no mínimo nostálgico, e um pouco assustador também, é perceber e relembrar os medos nucleares da época em que os contos foram escritos e perceber que o futuro do livro, já é, para nós, um passado recente. Mas tudo isso são meros detalhes, As Crônicas Marcianas, fala e faz, basicamente o que a ficção sabe fazer (e deve saber fazer) de melhor, ela fala do ser humano; seus medos, seus anseios, suas dúvidas, alegrias, tristezas e aflições.

É um bom livro. Contemplativo. Desconfio que para poucos. Infelizmente.

Minha nota para As Crônicas Marcianas são 7.8 barraquinhas de cachorro quente espacial!

Leonardo Agrelos
Se acha um host, mas não sabe houstear. Se acha um podcaster, mas tem a linguá presa. Se acha um nerd, mas nunca terminou de ler O Senhor dos Anéis. Se acha um escritor, mas sempre procura no Google como se escreve impeachment. Entre tantos achismos uma certeza, a de que tem que melhorar como pessoa para parecer menos com um babaca.
http://www.pupilasembrasas.com.br
Top