Deixem que os deuses se defendam!

Em 2013 tivemos um grande burburinho por causa da passeata gay. Em 2014 as coisas pioraram. Mais comentários encheram a internet com esse assunto. Em 2015 a situação piorou de vez, cada fantasia, cada batom, cada salto alto era motivo para uma guerra ideológica nas internetas. Em 2016 será pior do que ano anterior, em 2017 então, ufa, nem me fale.aaaaaa

Já deu para perceber que a polêmica só aumenta. A cada nova passeata gay surge uma forma de chocar os cristãos já chocados. Buscar por igualdade e respeito pela opção sexual deixou de ser uma ideologia e passou a ser uma cruzada pessoal. Isso de ambas as partes.

Alguns cristãos lutam pela honra de um homem que morreu há dois mil anos. Se esse pelo menos fosse o argumento, talvez, eu digo, talvez fosse válido, mas nem isso por si só se sustenta. Qual o intuito e furor para defender um deus vivo? Sendo vivo Buda, Zeus, Odin ou Jeová qual o intuito de defender a integridade moral desses deuses? Por ventura não são poderosos? Por ventura não se ofendem? E, caso se ofendam, não poderiam eles tomar as medidas cabíveis pela blasfêmia para eles impostas?

Deixem que os deuses se defendam!

Cristo não precisa do cristão para defendê-lo. Se assim fosse, ele teria deixado Pedro acabar com os soldados que estavam prendendo ele no Getsêmani.

O Deus do cristianismo é louvado e adorado por dar o livre arbítrio. Isso inclui a adoração e também a escolha da orientação sexual.
aaaaaaaaaaa

 

Leonardo Agrelos
Se acha um host, mas não sabe houstear. Se acha um podcaster, mas tem a linguá presa. Se acha um nerd, mas nunca terminou de ler O Senhor dos Anéis. Se acha um escritor, mas sempre procura no Google como se escreve impeachment. Entre tantos achismos uma certeza, a de que tem que melhorar como pessoa para parecer menos com um babaca.
http://www.pupilasembrasas.com.br
  • Muito sensato!!!

  • Brian Rodrigues

    Eu soltei fogos de artifício aqui! Parabéns! 🙂

  • Junior Oliveira

    Estou aplaudindo de pé aqui.

  • Anônimo

    Concordo em gênero, número e grau.

  • Concordo!

  • Milla Teixeira

    É exatamente o que penso! Embora eu compreenda e até mesmo compartilhe da chateação de alguns, afinal, nos chateariamos também se zombassem de algum familiar, amigo, alguém que amamos. Mas, ainda assim, penso que o Jesus que eu conheço se ofende e se entristece muito mais com o sofrimento que causo na vida dos filhos dEle homosexuais com meu preconceito, minha falta de amor e meus discursos agressivos, que só os afastam do Pai, do que com deboches a sua própria imagem. Afinal, Ele já não preferiu passar por tudo isso presencialmente aqui há mais de 2000 anos, justamente, por amor a mim e a eles?
    Ora, se Ele nos amou tanto, a ponto de nos permitir escolher ou não amá-lo, quem sou eu para querer impor minhas convicções aos outros? Sou pó. Vermezinho de Israel. Trapo de imundícia.

    • Muito equilibrado, no ponto. No que toca nossos dogmas, isso é tudo o que temos a dizer, já discussões sociais e opinião pessoal é outra conversa. Representou-me.

Top