[QUADRINHOS] Turma da Mata – Muralha // Graphic MSP – Artur Fujita, Roger Cruz, Davi Calil

mata

Saudações Marvet… Opa… Não, não é uma crítica da coleção Marvel. A pedido da dona dessas críticas Graphic MSP estou aqui para falar não de Marvel, mas quase…

A Aline me pediu pra escrever essa resenha porque, por mais que ela tenha adorado a HQ, ela teve uma certa dificuldade em entender a arte de Roger Cruz. E é ai que eu entro! Roger é um dos brasileiros que conseguiu alcançar o sonho de trabalhar para a Marvel! Ele foi por muito tempo ilustrador dos X-Men, e imprimiu com maestria seu estilo “Comics” nessa última edição da nossa já amada coleção de releituras das obras de Maurício de Souza.

Turma da Mata – Muralha conta a história de umas das “turminhas de apoio” dos gibis da baixinha dentuça. Jotalhão e sua turma estão presentes no nosso imaginário desde as tirinhas dos jornais. Inclusive o elefante verde é considerado o mais famoso garoto-propaganda do Brasil, tendo sido figura que estampava o extrato de tomate por décadas.

turma

Mas eu mesmo não me lembrava muito de ter lido muita coisa das histórias da Turma da Mata, então muita coisa ali foi novidade pra mim. O magistral roteiro de Artur Fujita tem elementos das histórias clássicas, que já abordavam ainda que de maneira simples assuntos “políticos”, misturado com ação e aventura. Na trama vemos a cidadela governada pelo Rei Leonino que é cercada por uma Muralha. O cerco é para evitar ataques externos  de partes interessadas num mineral raro que pode ser encontrado nas minas da cidadela, e que torna possível uma série de avanços tecnológicos. Do outro lado vemos os rebeldes, encabeçados pelo elefantes verde baddass, pai do nosso querido Jotalhão, que lutam contra o governo da cidadela por sua exploração dos recursos e por escravizarem cidadãos para trabalhar nas minas.

Vemos na trama personagens muito bem trabalhados, com personalidade marcantes e próprias. A já citada arte do Roger lembra bastante os quadrinhos de super-herói, o que é algo fantástico para essa história que pede algo na pegada dos quadrinhos de hoje, com ação descrita como um storyboard de cinema, cenas amplas e descrição das ações aproveitando ao máximo a arte sequencial. Por mais que possa parecer um pouco confuso para os que não estão acostumados com os quadrinhos heróicos, não há nada que atrapalhe o entendimento e diversão com essa que já é uma das minhas preferidas entre as Graphic MSP.

Aline Toledo
Comentei no site até não me aguentarem mais e me chamarem pra gravar. Escrivinho pautas e textos por aqui. Administradora frustrada, sou fotógrafa nas horas úteis, Bozolina nas horas vagas. Gosto de ajudar, de ser querida, de falar, de rir esquisito, de comer a vontade (pedindo a Deus para não engordar) e me apego fácil. Choro como a Chiquinha, rio como uma hiena. Amo esse projeto e sou grata a Deus por vocês, ouvintes e leitores.
  • Diogo Hinning

    Cara…essa frase “com ação descrita como um storyboard de cinema” resumiu meu sentimento observado a arte…

    Excelente história, espionagem, ação, trama política, planos a serem executados, o humor ficou um pouquinho de lado, mas ainda assim tem seus momentos divertidos…e a arte ficou estupenda, realmente parece o storyboard de um filme, com as cores do Calil ficou algo fabuloso demais…uma ótima história com uma arte linda de se ver…

    Em muitos momentos parei minha leitura pra ficar observando os desenhos e a colorização…

    Para mim, ainda tenho Magnetar como a melhor MSP…mas Muralha já está no meu top 3…

Top